O Governo Provisório

Na noite de 15 de novembro de 1889, foi constituído o Governo Provisório da República recém-proclamada, tendo como Chefe o Marechal Deodoro, com poderes ditatoriais. O ministério foi composto de republicanos históricos, como Campos Sales, Benjamin Constant e Quintino Bocaiúva, e de liberais da Monarquia, que aderiram de primeira hora ao novo regime, como Rui Barbosa e Floriano Peixoto.

O primeiro ato do novo governo foi dirigir uma proclamação ao país, anunciando a mudança de regime e procurando justificá-la. Pelo Decreto nº 1 foi adotada, a título provisório, a República federativa como forma de governo da nação brasileira, até que resolvesse a respeito o Congresso Constituinte que seria convocado. As Províncias do extinto Império foram transformadas em Estados federados.

De todas as Províncias chegaram logo manifestações de adesão ao novo regime, quase sempre da parte dos velhos partidos monárquicos. Destarte, a República foi estabelecida em todo o país praticamente sem lutas, salvo no Estado do Maranhão, em que antigos escravos tentaram esboçar uma reação, correndo às ruas da capital com a bandeira do Império e dando vivas à Princesa Isabel. Foram dispersos pelo alferes Antônio Belo, com o saldo de três mortos e alguns feridos. Os três negros, de que a História não guardou os nomes, foram os únicos mortos da Proclamação da República no Brasil.

Em 16 de novembro, Deodoro mandou uma mensagem ao Imperador destronado, intimando-o a deixar o país dentro de 24 horas, e oferecendo-lhe a quantia de 5 mil contos de réis para seu estabelecimento no exterior. Pedro II recusou a oferta, e partiu na madrugada de 17 de novembro para Portugal, pedindo somente um travesseiro com terras do Brasil, para repousar a cabeça quando morresse.

Bandeira provisória da RepúblicaNa manhã do dia 19 de novembro, o Marechal recebia em sua casa alguns republicanos, liderados por Lopes Trovão, os quais iam submeter, já como fato consumado, à sua apreciação, o projeto da nova Bandeira do Brasil. Deodoro, porém, considerou a bandeira que lhe fora apresentada por Lopes Trovão como um arremedo grosseiro da bandeira dos Estados Unidos. Os republicanos insistiram que só restava a Deodoro oficializar a bandeira por eles apresentada, pois a mesma já tremulava em alto mar, no mastro do Alagoas, navio que conduzia o Imperador deportado ao exílio.

Irritado, o Marechal deu um soco na mesa, exclamando: Senhores, mudamos o regime, não a Pátria! Nossa Bandeira é reconhecidamente bela e não vamos mudá-la de maneira nenhuma! Os republicanos ficaram sem resposta e a sua bandeira foi, posteriormente, para o Museu da Marinha, ficando conhecida como a bandeira provisória da República, embora nunca tenha sido oficializada.

A atitude patriótica do Marechal Deodoro, sublinhada com um soco na mesa, foi acompanhada pelo carrilhão da Igreja de São Jorge, que batia doze horas. Disso surgiu a tradição brasileira de só hastear-se a bandeira nacional, no dia que lhe é dedicado (19 de novembro), ao meio-dia em ponto.

Bandeira Nacional do BrasilDiante da decisão inflexível de Deodoro, foram mantidos na Bandeira Nacional o losango amarelo no retângulo verde, da antiga bandeira do Império, substituindo-se as armas da monarquia, por uma esfera celeste, tendo ao centro o Cruzeiro do Sul, e cortada por uma faixa branca, com o mote Ordem e Progresso. A bandeira foi desenhada por Teixeira Mendes, presidente do Apostolado Positivista do Brasil, com o auxílio de Miguel Lemos e do professor de Astronomia Manuel Pereira Reis.

Na tarde daquele 19 de novembro, o Chefe do Governo Provisório baixou o Decreto nº 4, oficializando a Bandeira Nacional. A exposição de motivos do Decreto, considerava que as cores verde e amarelo, “independentemente da forma de governo, simbolizam a perpetuidade e integridade da Pátria entre as outras nações”.

  • Chefe do Governo Provisório – Marechal Manuel Deodoro da Fonseca – 1889–1891
  • Ministro da Justiça – Manuel Ferraz de Campos Sales – 1889–1891
  • Henrique Pereira de Lucena, Barão de Lucena – 1891
  • Ministro da Marinha – Vice-Almirante Eduardo Wandenkolk – 1889–1891
  • Contra-Almirante Fortunato Foster Vidal 1891
  • Ministro da Guerra Ten.-Cel. Benjamin Constant Botelho de Magalhães 1889–1890
  • Marechal Floriano Vieira Peixoto 1890–1891
  • General Antonio Nicolau Falcão da Frota 1891
  • Ministro dos Negócios Estrangeiros Quintino Antonio Ferreira de Sousa Bocaiúva 1889–1891
  • Ministro da Fazenda Rui Barbosa 1889–1891
  • Tristão de Alencar Araripe 1891
  • Ministro do Interior Aristides da Silveira Lobo 1889–1890
  • José Cesário de Faria Alvim 1890–1891
  • Tristão de Alencar Araripe 1891
  • Ministro da Agricultura,
  • Comércio e Obras Públicas Demétrio Nunes Ribeiro 1889–1890
  • Francisco Glicério de Cerqueira Leite 1890–1891
  • Henrique Pereira de Lucena, Barão de Lucena 1891
  • Ministro da Instrução Pública,
  • Correios e Telégrafos Ten.-Cel. Benjamin Constant Botelho de Magalhães 1890–1891
Voltar
@marechaldeodoro
Senha:

2009-2014 © copyright - prefeitura municpal de marechal deodoro - Todos os direitos reservados